quinta-feira, 5 de março de 2009

Da volta ao cigarro

Voltei a fumar oficialmente. Encontrei um cigarro que é a minha cara e tem os níveis de nicotina e alcatrão que mais me agradam. Sim, eu estou indo na contra-corrente dos politicamente corretos, dos ecologicamente preocupados e dos intitulados geração saúde. Eu também sei que vou morrer. Todos vamos. Enquanto isso não acontece eu continuo fã daquela máxima atribuída a Bernard Shaw que diz: "Parar de fumar é fácil: eu mesmo já parei várias vezes". Pra ser sincera o cigarro é um atributo cênico indispensável à personagem que eu desenvolvo. Ele ajuda a defini-la, a contornar com mais precisão a minha personalidade, além de ser, é claro, o melhor companheiro de reflexão em momentos de solidão e intensa individualidade. Confesso que não teria escrito minha dissertação sem a sua relaxante companhia, e provavelmente também não escreverei nada de tese alguma sem a mesma. A fim de confirmar todas essas prerrogativas eu fiz uma rápida pesquisa na internet e encontrei algumas queridíssimas colegas de vício. Estarão todas elas aqui, enfeitando este post com suas belas e afetadas poses de fumantes: charmosas, sensuais, reflexivas, agressivas e estilosas. A-do-ro! A primeira é Audrey Hepburn na pele da eterna Bonequinha de luxo e sua mais do que eterna piteira gigante. (Onde eu acho uma dessas pra comprar?) A segunda é Bette Davis na atitude de reflexão (com muito charme, é claro!) que só um cigarro pode proporcionar. Ela é a estrela fumante de All about Eve, que no Brasil ficou A Malvada. A terceira é Marlene Dietrich, imortal no papel de O anjo azul e não menos célebre ao jogar fumaça no ar. Uma deusa! A quarta estrela é a impressionante e revolucionária Coco Chanel, a diva da moda que também se imortalizou em alguns flashes acompanhada de um cigarrinho. E pra finalizar, ninguém menos que a impagável Marilyn Monroe, a maior entre as divas em todos os sentidos - desde os maiores escândalos às melhores fotos, também clicada em companhia do mais glamouroso objeto do mundo, embora ele tenha mais de 4.700 substâncias tóxicas. Para finalizar este post (que o Ministério da Saúde classificaria de indecente) eu cito um trecho de uma música de Caetano que compara a paixão pelos livros com aquela que devotamos aos cigarros. Eu juro que queria ter escrito isso: " Os livros são objetos transcendentes / Mas podemos amá-los do amor táctil / Que votamos aos maços de cigarro"

15 comentários:

Otávio Lago disse...

É incrível como o cigarro tem o dom de cair bem em qualquer circunstância! Quando estamos tristes: um (dois, três, 436 cigarros); felizes: mais alguns; entediados? Porra! Pode fazer um estoque de maços!

Cigarro combina com cerveja, café, coca-cola, enfim... qualquer bebida ou qualquer sentimento (mesmo quando não se sente nada!).

Outro motivo pra que eu o ame (nossa, que medo!) é seu ar de decadência... é tão bom se sentir uma puta de boteco com um cinzeiro ao lado e várias "bitucas" manchadas de batom vermelho... ah!!
Esse ar de decadência me lembrou uma música chamada "Summer in the City": "e os brochas ficam no canto fumando... eles querem sentir aquele volume em suas calças começar a levantar".

Eu sempre imagino uns bêbados tristes pensando em como suas vidas são uma merda, fumando um cigarro atrás do outro a fim de anestesiar a dor... poético! kkkkkkkkkkk.

P.S.: Eu (ainda) não sou brocha, ok?? Rs...

Emile disse...

Sensacional!!! Sabe quem você devia ler? Bukovski. Eu vou te dar um livro desse cara, cê vai amar, Otas!!! Beijo.

Anônimo disse...

Realmente, cigarro molda personagens mesmo. Dá a impressão de humano(comparado à santidade), de entrega... ao pecado talvez. Aproxima muito mais meros mortais de Divas como elas. Já dizia minha tia que, na época dela, tudo inspirava o ato. Não tinha propagandas no Ministério da Saúde ainda e todas as mulheres chiques e poderosas fumavam. Era bonito. Ainda é, na minha opinião. Do glamour à derrota, tem cigarro em tudo! É incrível como ele serve a todos em todo momento. E ao contrário do Otávio, eu prefiro o lado mais glamuroso do vício. hahhaha

O quarto motivo. HAHAHAHA! Danilo.

Emile disse...

Danilo, meu bem!
você foi o quarto motivo assim como existe oquarto poder da imprensa: perigosamente pode destruir e/ou construir tudo o que lhe convier. Super arrasou!
Beijo, meu amigo mais sem-noção!!!

Anônimo disse...

Levando em consideração que,
Cigarro: "símbolo de status, maior problema de saúde pública mundial, sintomas físicos e psicológicos responsáveis por sua dependência"

Poderia dizer que é um mal necessário em muitas ocasiões... Não me considero uma fumante, mas sei que se eu não quiser esse "status" tenho logo terei (o mais breve possivel) parar de fumar!

Faz bem, faz mal, as vezes fumo o primeiro do dia, ou dias, e me sinto otima, dps não consigo fumar mais nenhum, dps quero fumar uma carteira inteira...

Ja tive a sensação de um " pos orgasmo" quando fumei um cigarro... Cara, como foi bom.. e confesso, ja experimentei fazer amor e dps fumar um cigarro, coisa deliciosa, relaxante, prazerosa.. melhor mesmo foi dps tomar uma caipirinha feita em casa, bem gelada e ir dormir!!! hummmmmm.. sensações de um ano atras!


Enfim...

"PARAR DE FUMAR EH BOM, MAS BOM MESMO EH FUMAR UM BOM CIGARRO"



By Anonima!

=P

Homem-Peixe. disse...

Partilho a mesma opinião.

Reflectivo... Oh! Momento de introspecção maior é dificil... O fumo sobe no ar, lentamente... parece que o tempo espera por nós, para que possamos pensar e, no entanto, não entediando o ouvite que vê no cigarro uma réstia de actividade da nossa parte...

O fumo solta-se do nosso interior, arrancando mais uma frase, um parágrafo até, e o ciclo repete-se enquanto a nossa loucura ou incerteza de fumar/não fumar se repetir indefenidamente.

Kelly Moraes disse...

Noooossa!!!
Com tantas justificativas...deu até vontade de fumar agora!!!
(e olha q nunca fumei antes)
kkkkkkkkkkkkkkk
Bjos Émile
.
P.S. Num estado de "choque com a realidade da vida" deletei o blog "Café Poulain"´...resolvi assumir quem era a amiga da Amelie também...hahahaha
.
Por falar nisso...vc já postou algo sobre esse filme aqui? As suas impressões?
.
Ainda me devendo uma lista dos 10 + entre filmes e livros!!!

Emília disse...

O texto ficou ótimo! As fotos tbm!
Mas continuo detestando cigarro!! kkkkkkkkk

Bibi disse...

Que texto glamouroso. Desde as fotos ao contexto. É uma expressão sincera e um tanto eloqüente daquilo que, às vezes, é tão contraditório em volta e até em nós mesmos.

Apesar de todos os contras, eu gosto do cigarro. Talvez seja porque ele - entre outras drogas -, me dá a escolha de me manter lúcido, além de muitas vezes matar minha ânsia e me "proteger" inutilmente.

E, a gente se dá tão bem, mas mesmo assim ele não me torna dele. Aprecio isto.

Digs! disse...

Ótimos comentários por aqui. Muito bom.

Realmente o cigarro tem tudo disso e um pouco mais.

Gosto muito de fumar quando estou bebendo. Afinal de contas, assim como todos aqui presentes, nada melhor do que tomar uma cerveja, fumar um cigarro, e bater um bom papo.

Quem nunca terminou um almoço satisfeito e se deparou com aquela vontade de fumar.

Tem também as pessoas que fumam só pelo fato de ter que fazer alguma coisa, ou por "manter a pose".
Muito bom o blog Emile. Como sempre.

Beijão.

Eu (ainda) não sou brocha [2]
AUAHUHAA

Débora Sales disse...

Adorei o post... Mas o cigarro não faz meu estilo, kkkkk...

Ah, queria pedir um favor:

Faz um post sobre o amor da minha vida???
Sabe quem??
O Coronel Aureliano Buendia.

Por favor?!?!
Rsrsrsrsrs...

Bjokas!!!

elvinho disse...

Cigarro é bom depois de mtas coisas, as vezes durante...
Ja me salvei de ser assaltado por conta de um cigarro... Agradeço a existência desse! Apreciei, degustei, me satisfiz com cigarros, tanto foi esses, que escolhia qual seria minha próxima carteira, comecei com Hollywood verde,aquele q mtos começam, mas logo detestam qndo se experimenta o CARLTON; depois me surpreendi com o gosto diferenciado de fumo tostado do Lucky Strike, bem charmoso também... Veio Marlboro LIGHT, e logo depois veio o MARLBORÃO estoura PULMÃO; depois do MARLBORO comecei a fumar CARLTON, mas logo percebi q estudante n fuma CARLTON, ou melhor, não empregado, aí passei pro HOLLYWOOD australian blen, o laranjadinho, aquele eu gostei, e por fim terminei no Hollywood tradicional... Terminei por motivos de saúde mesmo, tive medo de qndo me ligaram e pediram pra me comparecer a clínica pra falar a respeito de uma radiografia do pulmão q eu tinha feito devido a algumas tosses, daí por diante, sem cigarros, sem consultas, melhor assim... ah e jah ia me esquecendo e sem ressacas amargas! Mas digo que foi muito bom enquanto durou!

Ewerton disse...

Fiquei pensando... quais não são as potencialidades persuasivas(?) de um belo discurso, em cuja tessitura tem-se um emaranhado de belas imagens, de interessantes intertextos!... por um fugaz instante (bem efêmero, confesso), cheguei a me esquecer do odor fétido de cigarro, que, às minhas sensíveis narinas, sugerem, com força e contundência, um desagradável cheiro de carvoaria...

Mas creio que o cigarro seja uma espécie de segunda alma pro indivíduo. E me valho dessa imagem, aqui, nos termos de Machado, para quem, em "O espelho", o indivíduo necessita de algo que o projete, para os outros, como ele, esse indivíduo, gostaria/gosta de se ver projetado. Bem o que vc disse Émile, acerca de o cigarro ser um recurso cênico indispensável à sua caracterização... No fundo, sempre queremos depender de algo para sermos nós mesmos.

Não fumo. Odeio cigarro. Não por fazer mal, pois fazer mal, tanta coisa faz mais mal, e o que é fazer mal? Não, não vou filosofar, ao fumante, as batatas!

E já que falei sobre a segunda alma de todos os fumantes, falarei também sobre a minha, que não tenho a humilde e recorrente pretensão de ser a palmatória de vários bumbuns; minha segunda alma resume-se: na fixação que tenho por carros, por cosméticos e por coca-cola e por coisas mais, um tanto inconfessáveis, que tenho pudores.

A certeza é que a morte vem e acaba com tudo isso. A dúvida é se Brás Cubas estará ou não nos esperando no centro de sociabilidade do cemitério.

Mas não quero ser pessimista. O dia está claro, não fumo, passei protetor solar da roch, a coca está geladíssima, vou tentar carpe diar.

Emile disse...

Ewerton, só tenho uma coisa a te dizer: Eu a-do-ro seus textos! Obrigada por colaborar aqui no meu blog, pena que seja tão raro...
beijo,amigoooo......

miga disse...

Fumar é um ato de nobreza,desde que se saiba FUMAR com nobreza!
O melhor de todos os status ..
Fumar não é só rir ou chorar,fumar
é um ato que faz das pessoas elegantes,mesmo que elas nunca tenham ouvido falar em elegancia!
Fumar não é somente pegar,acender,
consumir e tacar fora.
Fumar é um sinal de elegancia e sofisticação.Embora tantos pobres coitados não sejam nem elegantes e nem sofisticados o bastante.Pois não teem consciencia de estar segurando em suas pobres mãos sujas e surradas,O q grandes Divas seguram em lindas carteiras de luxo e piteiras glamurosas!
RESUMINDO:Até para fumar tem que ter elegancia, na forma como se segura o cigarro na forma com q se coloca-o na boca,na forma com que se suga a fumaça e principalmente na forma com que se a solta,.Entao saiba fumar com elegancia ou entao nem tente colocar tal simbolo de glamour em seus LÁBIOS. (tava super inspirado .k.)