terça-feira, 2 de junho de 2009

Do sonho, da infância e da memória

Esses dias eu tive um sonho tão incrível: eu vi minha mãe grávida de mim, e logo depois eu me vi criança, participando de uma festa de escola. Minha mãe tava bonita, num sueter marrom bem largo, os cabelos bem pretos, como eram quando ela tinha vinte e poucos. Ela sorria e parecia radiante. Logo depois eu vi a mim mesma bem pequena, uns quatro anos de idade, e eu me olhava bem nos olhos e ficava bem emocionada com isso. Acordei um pouco assustada e com taquicardia. Respirei bem fundo por alguns longos segundos na tentativa de relaxar e ao mesmo tempo fiz um enorme esforço pra não esquecer aquelas imagens. Eu não sei o que esse sonho significa, e não sei se preciso ou desejo saber. Uma vez eu descobri numa sessão de terapia que nem sempre é preciso saber tudo. Me contento com as belas imagens que restaram na minha memória, apesar de não serem nem de longe tão intensas como no momento do sonho. É nostálgica, bonita, afetiva e emocionalmente muito forte.

3 comentários:

Débora Oliveira disse...

OI xuxuuuuuu... mto massa!!!
rsrs... beijocass



Ah, vi uma piada, Lembrei de vc!! beijocas

PIADA:
A professora fala para o Joãozinho:
- Joãozinho, qual o tempo verbal da frase:
- "Isso não podia ter acontecido"?
- Preservativo imperfeito, professora!

Helder disse...

minha memória também me assusta as vezes...

rafael.echoes disse...

"Memórias, não são só memórias. São fantasmas que me sopram aos ouvidos coisas que eu nem quero saber..."