quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Feliz Natal com Vinícius de Moraes!

Sobre o Natal eu não tenho muito o que falar que não seja um grande chavão. De qualquer forma, eu achei um poema de Vinícius muito bom e aí vai, pr'aqueles que têm espírito natalino (seja lá o que isso signifique nos dias de hoje)
Poema de Natal
Vinícius de Moraes
Para isso fomos feitos:
Para lembrar e ser lembrados
Para chorar e fazer chorar
Para enterrar os nossos mortos —
Por isso temos braços longos para os adeuses
Mãos para colher o que foi dado
Dedos para cavar a terra.
Assim será nossa vida:
Uma tarde sempre a esquecer
Uma estrela a se apagar na treva
Um caminho entre dois túmulos —
Por isso precisamos velar
Falar baixo, pisar leve, ver
A noite dormir em silêncio.
Não há muito o que dizer:
Uma canção sobre um berço
Um verso, talvez de amor
Uma prece por quem se vai —
Mas que essa hora não esqueça
E por ela os nossos corações
Se deixem, graves e simples.
Pois para isso fomos feitos:
Para a esperança no milagre
Para a participação da poesia
Para ver a face da morte —
De repente nunca mais esperaremos...
Hoje a noite é jovem; da morte, apenas
Nascemos, imensamente.

3 comentários:

moises oliveira dos santos disse...

ninguem mais que vinicus poderia dizer que se quer dizer. talvez esse seja o fato. A poesia pode nos traz a memoria as que queremos dizer e nao sabemos. parabens por este dia que a vida se vai nascendo ou melhor a fagulha de luz procura piscar em nossos corações!!!

Rayanne disse...

Vinícius de Moraes é o resumo de tudo que é mais intenso. Já tive a oportunidade de estudar um pouco de sua vida e as características de Vinícius são completamente profundas Vinícius vivia pela paixão, precisava da chama da paixão ardendo para produzir suas poesias. Apesar de que essa poesia de Natal, talvez, não transpareça essa necessidade de paixão nela fica bem claro a intensidade e a entrega do poeta aos seus versos. E quem é fã de Vinícius como eu, Emile, só resta agradecer o presente de Natal!!!

elvinho disse...

Bôemio e intensificador de paixões, ele n queria e nem acreditava em uma paixão; mas sim, em várias. Para ele não se vive se vc ama apenas uma vez. Não é atoa que se transformou no poeta que é, só podendo assim ter chegado com a disposição de amar que tinha. Talvez tenha assim descoberto a grande razão da vida, apenas amar, sem ter a vergonha de ser feliz"Gonzaguinha".Eterno Vinicius de Morais. Feliz Natal a todos! Viva a liberdade do sentimento.