quinta-feira, 2 de julho de 2009

Tempo e Artista (Chico Buarque)

Imagino o artista num anfiteatro
Onde o tempo é a grande estrela
Vejo o tempo obrar a sua arte
Tendo o mesmo artista como tela
Modelando o artista ao seu feitio
O tempo, com seu lápis impreciso
Põe-lhe rugas ao redor da boca
Como contrapesos de um sorriso
Já vestindo a pele do artista
O tempo arrebata-lhe a garganta
O velho cantor subindo ao palco
Apenas abre a voz, e o tempo canta
Dança o tempo sem cessar, montando
O dorso do exausto bailarino
Trêmulo, o ator recita um drama
Que ainda está por ser escrito
No anfiteatro, sob o céu de estrelas
Um concerto eu imagino
Onde, num relance,
o tempo alcance a glória
E o artista, o infinito

2 comentários:

Rafael Araújo disse...

"Quem me vê sempre parado, distante
Garante que eu não sei sambar
Tou me guardando pra quando o carnaval chegar"

Chico é sempre bom...

Bjo moça!

~ dingre. # disse...

- "Chico é sempre bom..."
Concordo.
Assim como Charlie Brown.
Copie e espalhe as tiras por aí, há umas tão irresistíveis quanto uns versos de Chico.
x)

bj